Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2014

Baila dores

Beiram-lhe os anos
Perante a escuridão
O sono eterno não lhe parece vão
Desfiguram-lhe o rosto da pobre menina Dançam as dores feito bailarinas
Corteja-se a morte Choram-se rios Sem escrúpulos, a dor lhe deixa por um fio
Mas qual fim há de chegar? Que mundo ei de deixar? Seria único motivo pelo qual viver, o sobreviver?