Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

Evangelho segundo o Século XXI

Um preto morreu no morro, foi vítima de bala perdida.
"Ah, mas tava sozinho na rua a noite, foi morte merecida."
Uma prostituta é estuprada, morta e largada ao esquecimento.
"Também, queria vida fácil, devia ter se dado o respeito."
Um umbandista foi apedrejado até a morte e deixado na sarjeta.
"Se ele seguisse à Deus seria salvo, mas ele escolheu o capeta..."
Um gay é espancado até a morte numa noite fria.
"Ninguém mandou se exibir na rua, tem que apanhar mesmo, essas bichas amam putaria!"
Uma travesti foi cruelmente assassinada.
"Se fosse macho de verdade, não precisaria ser surrado!"

Milhares de desculpas
para crimes hediondos
nos rondam dia a dia -
mas que mundo odioso!

A intolerância reina
nesse reino de homens brancos;
de homens brancos héteros;
de homens brancos héteros e ricos.

E ai dos que lutam!
Ai dos que suportam!
Ai dos que morrem!

Bem aventurados os que matam;
que torturam;
que ferem.

Pois esses sim ganharão o "reino…

I wish I'd been a Teen Idle...

Imagem
Eu não beijo. Eu não danço. Eu não corro. Eu só descanso. E me canso de só descansar. 
Eu não rio. Eu não bebo. Eu não lembro e nem faço lembrar. 
Eu não marco. Eu não curto. Eu não vivo e não consigo viver. 
Eu só durmo, e durmo, e durmo. É foda sobreviver.
Quem me dera não desperdiçar minha juventude.
Quem de dera dar a cara a tapa alguma vez na vida.
Quem me dera ter memórias pra contar.
Quem me dera cometer um daqueles grandes erros.
Quem me dera ser verdadeiramente livre, e não ter uma falsa ilusão de liberdade.
Mas não, isso não é pra mim. Isso não pode ser pra mim. Eu fui criada para ser aquela garota exemplar que só estuda, e não vive. E eu realmente não vivo, só sobrevivo.
E eu não aguento. E eu explodo. E eu desmorono semana a semana.
E eu não vivo, não experimento, não corro riscos, não faço valer.
Dizem por aí que a vida é curta demais para não se arriscar. Dizem ainda que a vida sem aventuras é uma gigantesca perda de tempo.
Então me pergunto: o que é que eu estou fazendo aqui?
Se você…

Manifesto XX

Eu nasci mulher numa sociedade patriarcal Num país onde todo homem mais parece neandertal Desde pequena me ensinaram a ser esposa e submissa “Não use roupa curta e vá sempre à missa!” Me impuseram valores que não eram meus E me fizeram crer que eram vontade de deus “Por favor se respeite, seja uma garota decente” Mil cruzes sobre mim para essa sociedade decadente. Controlavam meus sentimentos e meus relacionamentos Me colocaram medo e ignoraram meus lamentos Eu estava predisposta a ser culpabilizada E não passava pela minha cabeça que a sociedade estava errada. Me privei de muitas coisas para obter tal respeito Mas ninguém nunca se preocupou em esconder seu preconceito. Tudo clareou quando conheci o feminismo Conheci o movimento que me salvou do abismo Do abismo do machismo que eu estava prestes a pular E jogar minha independência toda pelo ar. Descobri a liberdade que é minha por direito Descobri que, na verdade, ninguém pode me por defeito. Eu sou forte, sou mulher e ninguém cont…

Ser Oco

Dizem que eu escrevo por sentimentos.  Na verdade, escrevo por falta do que sentir.  Simulando humanidades, fica cada vez mais fácil lidar com minha desumanidade.  Com minha frieza estúpida que adquiri após anos de tentativas inúmeras - e tolas! - de negar meus sentimentos.  Acabou que, por fim, eles é que me negaram.  Abandonaram, para ser bem explícita.  E eu achava que sofria com eles...  Ah, eu não sabia que eram aqueles sentimentos incontroláveis que me tornavam sã.  Era aquela euforia química e hormonal que me fazia estável.  Agora, não reajo a nada nem a ninguém.  Sem eles me sinto oca, inútil.  Não tenho mais um pingo de empatia, não deliro mais nos balbúcios das paixões, não choro rios de lágrimas (seja por dor ou alívio).  Digamos que a vida sem sentimentos tenha se mostrado algo tão banal que perdeu a própria essência de ser vida.  Meu coração bate em meu peito num ritmo tão mecânico e cronometrado que perdeu todo seu encanto.  Sou só mais uma máquina: a única coisa que me …

Eu, paixão.

Imagem
Danço a dança pura que é estar em teus braços. Nada é mais calmante para mim que a tua euforia.
Teu toque sobre minha pele me queima, mas instantaneamente me alivia.
Nada me faz tão bem quanto teus beijos que, lentamente, vão trazendo á tona o instintivo desejo guardado em meu âmago.
Carícias plenas e obscenas, como disse meu bom e velho Chico. Sim, eu adoraria ser a bailarina que repousa em teus braços. Adoraria balançar-me em teu corpo na melodia que apenas a Natureza, exclusivamente, sabe reproduzir.
Desde as conversas simples e os planos de futuro até o frenesi orgásmico de um fim de tarde sob as cobertas, aquelas cobertas quentes e aconchegantes (quase o mesmo tanto que o teu abraço).
Viajar em tua voz, que chega aos meus ouvidos como doce melodia e se codifica em meus neurônios como puro êxtase.
É inacreditável o efeito anestesiante que uma simples pessoa pode causar sobre mim. Isso que ainda nem nos tocamos, não nos beijamos. Provavelmente vou perder a cabeça, mas será de um m…