Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2015

...

Ponho Billy Joel para tocar no rádio. Um arrepio percorre todo o meu corpo. Tenho consciência da minha pequenez em frente ao Universo, ao planeta e, até mesmo, a minha vizinhança em si. Sabe a única coisa que me fazia sentir maior? Maior não, mas ao menos importante... era você, o teu toque, tua voz como doce melodia assobiada levemente aos meus tímpanos e interpretada como adrenalina pelo meu cérebro. Aquela doçura misturada com selvageria; quase um clímax mental, só de te ouvir falar.
Mas eu perdi isso, assim como perdi várias outras coisas. Perdi a mim mesma, inclusive. Não sei mais ser aquela quem eu era antes - e nem sei se quero!
O que eu quero, mesmo, é me afogar numa imensidão escura, claustrofóbica e calma. Estranho ver palavras tão opostas juntas, não? Nem tanto. O escape não é igual para todos. As vezes a angústia pode ser minha única saída do tédio colossal atual.
Recorrentemente tenho me sentido como os poetas da segunda fase do Romantismo brasileiro: sem vivacidade, apen…