Despedida


  • Mas você já vai? 
  • Desculpa, mas é melhor assim. Desculpa, desculpa, desculpa. 


Maitê caminhou confiantemente pra longe dele, sussurrando desculpas a cada passo que dava. Ela se sentia um monstro por se sentir aliviada. Ninguém deveria se sentir leve por terminar um relacionamento, né? Afinal, ela teve muitos momentos bons ao lado dele, e ela se sentia ingrata por se sentir livre agora.
Mas ah, fazia tanto tempo que Maitê não se vê livre de verdade… Sempre controlada pelo amor possessivo de Diego, que a colocou numa redoma e controlou grande parte de seus passos nesses longos 2 anos. “Essa roupa tá feia, troca”;”Não, você não vai nesse bar com seus amigos, muito homem lá”;”Você é bi, não vai dormir na sua amiga não”. Toda essa falta de confiança tem minado Maitê aos poucos, até que ela finalmente chegou ao ponto da implosão. Uma vez destruída ela já não tinha mais o que perder, foi então que decidiu terminar. E apesar do desconforto de se terminar com alguém, agora ela sente de verdade o que é ser dona de si.


Parabéns, Maitê, você venceu um relacionamento abusivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dos Males de Amar Intensamente

adoro-te

Mendigar-te